Dez descobertas com a primeira DSLR!

29 02 2012

Essa dica vai direto para os ingênuos compradores de câmeras “semiprofissionais”, aqueles que crêem poder fazer fotografias geniais tão logo adquiram sua primeira DSLR. O fotógrafo Anees K A deixou no Digital Photography School uma listinha com dez de suas descobertas enquanto desvendava sua recém-adquirida primeira câmera digital modelo “Single Lens Reflex”, e então resolvi trazer pra cá.

[Tradução livre e adaptada da autora do Interpretante Imediato]

1. O que você vê não é o que você vai ter.

Até o mínimo corte entre a cena vista no visor óptico e a imagem capturada faz diferença.

2. Pra ter o que você vê, é preciso entender a luz. Isso demanda bastante tempo, esforço e paciência.

Todos os ajustes relativos à luminosidade da foto precisam ser compreendidos em sua essência. Velocidade do obturador, abertura do diafragma, ISO, luz artificial, reflexos… Muitos itens a serem observados antes do clique.

3. A melhor habilidade que um fotógrafo precisa é antecipação e vivacidade para capturar um momento.

Se quiser as fotos extraordinárias, esteja sempre preparado, e comece a treinar sua mente para antever determinadas cenas logo antes que aconteçam. É um processo natural quando se trabalha um mesmo tipo de fotografia: infantil, casamentos, formaturas, retratos, shows…

4. Há tempo e lugar para cada tipo de equipamento.

Viajar para praias com câmeras e lentes intercambiáveis pode te deixar um pouco tenso. Tenha sempre à mão uma boa e simples compacta, como essa cor de rosa na mão da mamãe =)

5. As melhores fotografias que você vê não são acidentais. São o resultado final de reflexão e planejamento cuidadoso.

 É muito fácil dizer que poderia ter feito tal foto depois que ela está pronta, na sua frente. Também é fácil “culpar” a qualidade do equipamento, ou a sorte do fotógrafo de estar na hora e lugar certos.
6. Superar a inércia de usar uma DSLR não é o bastante. Lembre-se sempre de continuar aprendendo e aprimorando.
7. Ter uma DSLR não justifica o modo manual o tempo todo. O importante deve ser capturar o momento. Explore sua criatividade apenas se a situação permitir.
 Algumas vezes é mais produtivo acionar o modo prioridade para velocidade do obturador, e evitar o risco de perder uma bela foto de esporte ou dos seus sobrinhos lindos correndo no parque.
8. Ainda que você não se dê conta, a maioria das fotos que você vê online passaram por pós-processamento. Dedique um tempo para dominar algumas técnicas, o benefício vem a longo prazo.
 As melhores fotos ainda podem precisar de um retoque no contraste ou nas cores. E isso é tão normal quanto o processamento químico dos tempos da fotografia analógica.
9. Seja paciente com o seu índice de sucesso. Apenas algumas das inúmeras fotografias que você fizer serão úteis.
10. Equipamento caro não significa necessariamente melhores fotografias. Conheça seu equipamento como a palma de sua mão.
Eu, particularmente, ainda resisto um pouco a tirar a câmera do modo Manual.

E você, já fez essas descobertas por conta própria? Ou já descobriu outras coisinhas? Compartilhe nos comentários!





Ideias para fotografar em dias de chuva

6 04 2010

Chris Folsom, do Studio Tempura, publicou no Digital Photography School cinco dicas muito legais de assuntos para se fotografar em dias chuvosos. Como moro em uma cidade cujo clima se divide nas estações “chove-todo-dia” e “chove-o-dia-todo”, achei pertinente trazer pra cá essas ideias!

[Tradução livre e adaptada da autora do Interpretante Imediato]

1. Objetos randômicos

Se você tiver maçãs molhadas na fruteira, ajuda bastante!

Brinquedos, frutas, flores, instrumentos musicais, livros, relógios… provavelmente há mais objetos fotografáveis ao seu redor do que você imagina. Tire um tempo para focar em composição e iluminação, e você pode tornar esses objetos “comuns” em assuntos realmente interessantes. Se você tiver lentes macro, esse é o momento de usá-las, já que elas colocarão objetos familiares a você em uma nova perspectiva.

2. Retratos

Retratos infantis são deliciosos!

Pegue alguém da família ou chame um amigo e faça alguns retratos. Deixe seu modelo próximo a uma janela aberta e aproveite a luz difusa dos dias chuvosos. E não há razão para ficar em casa [a não ser, é claro, as enchentes e o trânsito desorganizado...]. Vá fotografar em um museu, escola, ou outro local fechado que vier à mente. Apenas procure se informar primeiro sobre as regras do lugar com relação ao uso de câmeras fotográficas. Não conseguiu ninguém pra fotografar? Então é uma boa hora para tentar autorretratos.

3. Gotas de água

Por mais clichê que possa ser, chuva escorrendo na janela e luzes em bokeh ao fundo não perdem o charme.

Capturar imagens de gotas de água é bem divertido, e muito adequado se você considerar o clima chuvoso…

4. Abstração

Que tal a vista inferior para as roupas penduradas?

Circule pela casa e procure formas interessantes, texturas e cores. Se você ficar de olho, provavelmente há muitas fotos abstratas prontas para serem descobertas.

5. Fotografe seu bicho de estimação

Nem precisa chover pra clicar esse peludo. Mas quando chove ele dorme mais gostoso...

Tem um gato? Cachorro? Papagaio? Peixe? Ornitorrinco? Mostre seu amor ao seu bichinho passando tempo com ele e fazendo fotos bem legais durante o processo!





Dicas de Fotografia III

14 01 2010

Retomando o projeto de postar com mais regularidade aqui, pretendo alternar os temas principais [semiótica e fotografia, caso não tenham notado], nos levando então a mais um texto traduzido do Digital Photography School com dicas para fazer suas fotos ficarem ainda mais interessantes!

As dicas desse texto não são exclusivas para fotógrafos profissionais, e nem exigem o uso de equipamento específico. A não ser aqueles com os quais nascemos equipados. [Tradução livre e adaptada da autora do Interpretante Imediato]

4 Técnicas para Desenvolver o Olhar Fotográfico

A maior habilidade de um fotógrafo talentoso não é a precisão com a exposição; não é precisão com todos os detalhes técnicos, ou fazer milhares de imagens por semana.

A maior habilidade que qualquer fotógrafo pode almejar é a observação.

A observação vai definir o seu trabalho. Vai dar vida e fôlego para as histórias que você captura e a beleza que você cria. A observação vai fazer a diferença entre uma foto comum e uma foto cativante; entre uma imagem que é um retrato visual, e uma que fale ao seu público nas formas mais expressivas.

Desenvolver a observação – especificamente na sua fotografia – exige esforços práticos e deliberados. Demanda tempo e esforço, e uma certa relutância por aceitar o óbvio.

Pratique com algumas das seguintes técnicas, adaptadas especificamente para fotógrafos:

1. Analise

Texturas, cores, detalhes.

Pegue um objeto inanimado e coloque em uma mesa à sua frente. Olhe para ele por cinco minutos e tome nota de tudo o que você percebe sobre ele. Se for uma maçã, perceba a forma; é redonda, é irregular, tem muitas falhas? Perceba o tamanho; é grande, pequena, média – e em comparação a que? Perceba a textura, cor, brilho e polimento. Parece velha? Por que? Parece que foi recém colhida? Por quê? Está suculenta? O que a faz suculenta? Pergunte cada questão que puder sobre seu objeto até que não possa pensar em absolutamente mais nada. Que tipo de histórias você estava criando em sua mente sobre esse objeto? Por que?

2. Esgote as perspectivas

Corujinhas, em perspectiva.

Pegue outro objeto inanimado e posicione numa janela. Pegue sua câmera, e com uma lente, faça quantas fotos com diferentes perspectivas e distâncias focais você conseguir em 15 minutos. O que você está tentando comunicar? O que faz diferentes ângulos expressarem diferentes climas ou sentimentos? Use a a luz de todas as formas possíveis. O uso de diferentes técnicas e a combinação de opções mudou a aparência geral e o sentido do que você quis comunicar? Esse exercício vai desafiar sua capacidade e fazer com que você comece a “pensar fora da caixa”, procurando por perspectivas que você nunca viu antes.

3. Avalie as locações

Luz da manhã, lá no fim da alameda.

Quando for fotografar, tire alguns minutos para avaliar o local. Pergunte-se qual locação comunica sentimentos e emoções diferentes. Então, pergunte-se por quê. Se é a luz atravessando as folhagens das árvores, criando raios de sol suaves e difusos que geram calor e drama. Se é a assimetria das flores, criando uma sensação de dinâmica artística. Não fique com nenhuma primeira impressão.

4. Faça fotos em sua mente

Aguardando a hora certa para a mão se aproximar

Os primeiros meses de dedicação à fotografia geralmente faz com que o indivíduo “veja” molduras em todo lugar – mesmo quando não está com a câmera na mão. Esse prazer e admiração pela fotografia provoca um senso de observação elevado. Se esforce para criar imagens em sua mente antes que elas aconteçam; perceba as peças de imagens ao seu redor e desenvolve sua acuidade mental para elementos visuais.

A observação vai capacitar você a combinar todos os elementos que estão à sua disposição, e arranjá-los de forma a reforçar a história que sua imagem conta.






Dicas de fotografia II

31 10 2009

Vi esse post no Digital Photography School, e achei que seria interessante traduzir. São 5 dicas para fotografar crianças, compartilhadas pelo pessoal do Aliph Aur Meem. [Tradução livre e adaptada da autora do Interpretante Imediato]

1. Deixe as crianças se divertirem.

Ísis

Ainda que risque o lençol...

Crianças são mais expressivas quando espontâneas. Dê a elas um pouco mais de direção e você pode acabar com a graça da experiência. Esse é um daqueles casos quando você precisa incorporar seu lado fotojornalista, e genuinamente observar as crianças sendo crianças. Se você pretende mudar o rumo da sessão ou tentar algo mais, ao invés de dizer a elas o que fazer, converse com elas e conduza-as a fazer o que você tem em mente. Por exemplo: “Este é o seu balanço? Me mostra alguma coisa legal que você faz nele?”, ou “Olha só quantas folhas! Não seria legal se você jogasse tudo pra cima e fizesse uma chuva de folhas?”

2. Ambiente familiar

A Sofia já está muito familiarizada com os brinquedos desse parque!

Escolha um lugar familiar para as crianças. Pode ser o quintal, um parque próximo, ou qualquer lugar a que elas estejam acostumadas. Elas não só estarão mais relaxadas e naturais, mas também podem mostrar a você algumas coisas que elas gostem bastante sobre o lugar.

3. Brinque com expressões

 

Caras e caretas!

Eles adoram posar pra titia Tereza.

 

 

Uma das coisas que você pode tentar com as crianças é um jogo de expressões. Se elas têm idade suficiente para compreender, diga que você conhece um jogo, onde você vai dizer em voz alta uma expressão ou palavra, e elas devem tentar expressar com caretas. Use palavras como “feliz, chocado, assustado, triste, fedorento” etc. Se elas não entrarem no clima, faça perguntas que causem diferentes expressões, como por exemplo “Qual a sua comida preferida?”. Isso funciona melhor com as crianças.

4. Com os pais ou sem os pais

 

Princesinha e seu rei

Completamente relaxada no colo do papai.

 

 

Algumas crianças se sentem envergonhadas quando outras pessoas as observam, incluindo seus pais. Outras adoram ter audiência! Descubra o tipo de criança que você está fotografando e se programe de acordo.

5. Mantenha a tranquilidade

Retratos de família, especialmente de crianças,são bem diferentes de outros compromissos fotográficos estressantes, como casamentos ou fotografia de moda. Mantenha a calma, o relaxamento e o diálogo. Mostre sua personalidade antes de mais nada, e o seu envolvimento com elas vai durar tanto quanto as fotos.

 

Bem, como eu disse no começo, fiz uma tradução livre e ligeiramente adaptada do post original. Mas as fotos são todas minhas, ok? Espero que tenha ajudado!





Dicas de Fotografia I

19 09 2009

Mais uma categoria a ser apresentada aqui no blog. Vou trazer algumas dicas para fotógrafos amadores, nada complicado, nada relacionado com equipamentos profissionais. Apenas dicas pra você fazer as fotos do aniversário do seu sobrinho ficarem bem legais!

Vou começar com uma situação bem cotidiana: eu fazendo a vez de manicure pro vira-lata. Tá, não é tão cotidiano… Mas a mamãe aparecer com uma câmera na mão pra [me expor ao ridículo] registrar esse momento de ternura entre eu e meu peludinho, isso é beeem cotidiano.

Vamos à primeira foto.

Foto 1

Ok. Foi feito o registro da cena, está tudo certinho, né? Não. A foto está sem graça, as cores estão esquisitas por causa do flash [parece até que é noite!], a posição da câmera não favorece nem a mim, nem ao cachorro.

Agora, com um pouco mais de cuidado ao fazer a foto, eis o resultado:

Foto 2

Viu só? Não ficou bem mais interessante? Vamos aos detalhes.

1. Enquadramento. Na primeira foto, a minha queridíssima mãe simplesmente se aproximou, apontou a câmera e clicou. É o que a gente costuma fazer, quando não se preocupa muito com o resultado da foto e só se interessa pelo registro do momento.

Veja bem, não estou recriminando, até porque muitas vezes nem dá tempo de se preparar pra fotografar um momento. Costuma ser assim quando a gente dá aquele flagrante do filho brincando com o tubo de talco…

Flagrante do Talco

Mas voltando ao assunto: como essa era uma situação que se estenderia por pelo menos dez minutos [não fazem idéia de como é difícil lixar a unha de um vira-lata], dava tempo de se preparar melhor.

O que eu disse pra ela: venha pra cá pro meu lado, onde a luz está melhor posicionada, e se abaixe até ficar no mesmo nível que eu. Procure enquadrar a cara do cachorro e a minha mão segurando a pata dele, mostrando o assunto principal da foto. Nem precisa sair meu rosto [essa ela ignorou...].

Observem mais uma vez a segunda foto:

Ainda foram enquadrados elementos que não precisavam aparecer [como a Lídia passando lá atrás], mas ainda assim está bem melhor que a primeira, não acham? Um dos principais objetivos da foto era mostrar a tortura do cachorro, e nessa segunda composição ele aparece claramente, com seu olhar sofrido.

Outro detalhe importante foi o flash, que eu recomendei que ela desabilitasse. A sala estava bem iluminada, a luz da janela e da porta incidiam exatamente à minha esquerda e um pouco à frente, dando condições de fotografar sem flash. [Em um outro momento vou falar sobre o uso do flash, ele não é só vilão nessa história!]

Resumindo: mesmo que você não seja fotógrafo profissional e sua câmera seja uma compacta sem muitos recursos ajustáveis, suas fotos podem ficar mais interessantes com alguns cuidados na hora de fotografar! O enquadramento do assunto é um dos recursos que podem transformar a fotografia lugar-comum em uma imagem criativa e visualmente agradável.

Futuramente, mais dicas facinhas pra fazer fotos legais!








%d blogueiros gostam disto: