Luiz Marques realiza Oficina de retratos com luz disponível

23 08 2011

Mais uma dica fotográfica na Cidade das Mangueiras, e essa serve pra quem não é profissional também =)

***

Fazer boas fotos utilizando somente a luz disponível no ambiente é a proposta da oficina gratuita ministrada por Luiz Marques, no próximo dia 30 de agosto, a partir das 19h, na Saraiva Megastore, no Boulevard Shopping.

A oficina é resultado da parceria entre a livraria e o grupo Lumens Photo e Cinema e as inscrições podem ser feitas até o dia 29, pelo e-mail grupolumens@gmail.com . As vagas são limitadas. Podem participar pessoas com ou sem experiência que desejem conhecer um pouco mais sobre fotografia. O único requisito é que cada participante leve uma uma câmera digital de qualquer marca ou modelo para participar da parte prática.

O objetivo é despertar o olhar para a composição fotográfica e capacitar o fotógrafo a explorar a luz disponível do ambiente, reduzindo assim a necessidade de investimentos em caros recursos de iluminação. Durante duas horas, os participantes terão contato com a teoria sobre a prática da fotografia digital, conceitos de composição e enquadramento, percepção da luz disponível, entre outros, além de uma etapa prática onde produzirão fotos entre si nos ambientes da loja Saraiva.

Todo o material produzido será comentado pelo ministrante e uma comissão formada por representantes da Saraiva e do Grupo Lumens que irão selecionar, entre as fotos produzidas pelos participantes, oito que serão ampliadas e expostas (com crédito para o autor) no interior da loja durante o mês de setembro.

Currículo:

Luiz Marques iniciou na fotografia em 2006 e hoje é uma das maiores referências paraenses em fotografia de casamentos, realizando trabalhos em outros estados do Brasil. Atua também no mercado de fotografia institucional para grandes empresas. O fotógrafo também integra o Grupo Lumens Photo e Cinema nasce da união entre cinco profissionais da fotografia e audiovisual que percebem em Belém a necessidade de oferecer acesso à capacitação para o desenvolvimento da fotografia, vídeo e cinema. Seu trabalho pode ser conferido no seu blog.

SERVIÇO

Oficina de retratos com luz disponível, com Luiz Marques. Dia 30/08, terça-feira, a partir das 19h, na Saraiva Megastore (Boulevard Shopping). Inscrições gratuitas até 29 pelo e-mail grupolumens@gmail.com, maiores informações 3241-3356 . Requisito: câmera fotográfica digital de qualquer marcar ou modelo.





O que a Mona Lisa pode te ensinar sobre belos retratos

22 06 2011

Mas peraí, tia Tereza, o que tem a ver a pintura com a fotografia? Bem, se você não é capaz de ver a ligação, meu caro leitor, abra seus olhos agora mesmo.

Inspirada por um post do Digital Photography School, vou fazer uma tradução livre dos itens abordados lá no original, e na segunda parte do tema, colocado em um próximo post, vou falar sobre a importância do alfabetismo visual para quem trabalha em qualquer vertente da comunicação.

O texto fala sobre composição, pose, fundo, luz, figurino, enquadramento, e é claro, o mistério que envolve a retratada mais famosa do mundo.

COMPOSIÇÃO

Hoje olhamos para a Mona Lisa e vimos uma composição simples, comum. Porém, na época em que foi executada, a obra de Da Vinci apresentou aspectos bastante inovadores, estabelecendo novos parâmetros para a pintura durante séculos desde então. Um dos elementos de composição reconhecidos no retrato de Da Vinci é a composição piramidal, que mostra o seu objeto com uma base mais ampla, formada pelos braços e mãos; e tudo o mais está arranjado de forma a conduzir o olhar do observador aos olhos e ao famoso sorriso da modelo.

Facilitando a percepção da composição piramidal =)

POSE

Mais um elemento que hoje nos parece desgastado, mas que foi revolucionário à sua época. Ao invés da postura rígida e comumente de perfil dos retratados em pinturas até o momento, a Mona Lisa se apresenta relaxada, apoiada de forma descontraída em uma cadeira, olhando de frente para o observador. Também era incomum para o período retratar o objeto no que conhecemos hoje por “três quartos”, geralmente eram feitos retratos de corpo inteiro. Sua decisão preenche o quadro com um assunto íntimo, e deixa pouco espaço para distrações. Os olhos da modelo posicionados à altura dos olhos do observador proporcionam uma sensação de intimidade com o retrato.

FUNDO

Muito já se escreveu sobre o fundo da paisagem em Mona Lisa, mas é importante ressaltar que, enquanto geralmente o objeto e o fundo das pinturas se apresentavam igualmente nítidas e cheias de informação, a paisagem ao fundo da modelo aparece embaçada, como se estivesse fora de foco. Isso era incomum até então, mas é um recurso largamente utilizado por fotógrafos para destacar o assunto de suas fotografias. Utiliza-se uma grande abertura do diafragma para manter o objeto principal em foco e destacá-lo da paisagem.

LUZ

Leonardo utiliza a luz para chamar a atenção do espectador para as partes da imagem que ele deseja destacar (face e mãos), e equilibra muito bem a imagem, colocando as mãos e o rosto em posições opostas. Ele também usa sombra (ou a falta de luz) para adicionar profundidade e dimensão para diferentes aspectos da imagem – particularmente a área ao redor do pescoço da Mona Lisa e nas ondulações sobre o vestido em seu braço.

FIGURINO

Mais uma vez quebrando os padrões da época, Da Vinci escolhe roupas escuras e menos chamativas para sua modelo, com detalhes discretos contribuindo para o maior destaque do seu rosto. Não há também nenhum tipo de jóia ou bijuteria para distrair o olhar, demonstrando que o pintor queria que todo o brilho do quadro viesse da própria Mona Lisa.

ENQUADRAMENTO

Se prestarmos bem atenção, podemos notar duas formas arredondadas nas laterais do quadro, próximas aos ombros de Mona Lisa. Acredita-se que a versão que conhecemos hoje do retrato esteja um pouco menor, e que uma parte das bordas tenha se perdido em uma das vezes que ele foi emoldurado. A teoria mais aceita é que, na versão original e integral da pintura, duas colunas estendiam-se de cada lado da Mona Lisa. De fato, ela está realmente sentada em uma varanda com vista para a paisagem atrás dela. Podemos ver a borda horizontal do balcão que se estende entre as duas colunas.

MISTÉRIO

Até hoje pergunta-se quem seria a Mona Lisa, e as teorias apontam desde a esposa do cliente que havia encomendado o quadro até o próprio Da Vinci travestido de mulher. O mistério está na sua própria imagem, no seu olhar reticente, seu sorriso quase imperceptível, e até mesmo a técnica de borrar os contornos usada por Leonardo conspiram para criar uma atmosfera de curiosidade ao redor de sua obra. Deixar elementos da imagem abertos à interpretação do observador aguçam sua imaginação e o impacto da obra sobre ele.

E agora, o que fazer com todas essas informações? Ora, meus queridos, vocês tem duas tarefas a cumprir: estudar mais sobre história da arte, especialmente pinturas; e sair fotografando para colocar em prática as técnicas usadas pelos grandes pintores!

No próximo post, vamos falar sobre teorias, conceitos, e claro, bibliografias para toda essa pesquisa.





Ideias para fotografar em dias de chuva

6 04 2010

Chris Folsom, do Studio Tempura, publicou no Digital Photography School cinco dicas muito legais de assuntos para se fotografar em dias chuvosos. Como moro em uma cidade cujo clima se divide nas estações “chove-todo-dia” e “chove-o-dia-todo”, achei pertinente trazer pra cá essas ideias!

[Tradução livre e adaptada da autora do Interpretante Imediato]

1. Objetos randômicos

Se você tiver maçãs molhadas na fruteira, ajuda bastante!

Brinquedos, frutas, flores, instrumentos musicais, livros, relógios… provavelmente há mais objetos fotografáveis ao seu redor do que você imagina. Tire um tempo para focar em composição e iluminação, e você pode tornar esses objetos “comuns” em assuntos realmente interessantes. Se você tiver lentes macro, esse é o momento de usá-las, já que elas colocarão objetos familiares a você em uma nova perspectiva.

2. Retratos

Retratos infantis são deliciosos!

Pegue alguém da família ou chame um amigo e faça alguns retratos. Deixe seu modelo próximo a uma janela aberta e aproveite a luz difusa dos dias chuvosos. E não há razão para ficar em casa [a não ser, é claro, as enchentes e o trânsito desorganizado...]. Vá fotografar em um museu, escola, ou outro local fechado que vier à mente. Apenas procure se informar primeiro sobre as regras do lugar com relação ao uso de câmeras fotográficas. Não conseguiu ninguém pra fotografar? Então é uma boa hora para tentar autorretratos.

3. Gotas de água

Por mais clichê que possa ser, chuva escorrendo na janela e luzes em bokeh ao fundo não perdem o charme.

Capturar imagens de gotas de água é bem divertido, e muito adequado se você considerar o clima chuvoso…

4. Abstração

Que tal a vista inferior para as roupas penduradas?

Circule pela casa e procure formas interessantes, texturas e cores. Se você ficar de olho, provavelmente há muitas fotos abstratas prontas para serem descobertas.

5. Fotografe seu bicho de estimação

Nem precisa chover pra clicar esse peludo. Mas quando chove ele dorme mais gostoso...

Tem um gato? Cachorro? Papagaio? Peixe? Ornitorrinco? Mostre seu amor ao seu bichinho passando tempo com ele e fazendo fotos bem legais durante o processo!








%d blogueiros gostam disto: