Experiência Colateral II

Continuando a série, vou falar mais um pouco sobre exemplos de experiência colateral.

Desta vez, vou tentar reforçar um pouco mais a idéia de que a experiência colateral é fundamental para definir qual interpretante será gerado [ou seja, o que vai acontecer na sua mente] quando você entra em contato com um signo.

Para isso, mais uma vez vamos comparar as possíveis reações de dois indivíduos em contextos diferentes, mas submetidos ao mesmo signo.

Tomemos como exemplo placas de trânsito. Ora, as placas de trânsito, por sua natureza informativa, devem seguir padrões pré-estabelecidos para que possam ser entendidos por qualquer pessoa que precise delas, certo? Convenhamos, apesar da dificuldade de memorização, é mais fácil aprender a associar uma imagem a um significado [e lembrar dele sempre que vir a imagem] do que ler uma frase inteira numa placa enquanto dirige!

Imagine se tivesse que escrever "Dê a preferência"...

Pois bem. Placas de trânsito são uma categoria farta de signos arbitrários, ou seja, imagens que se convencionou significar determinado objeto, já que seria extremamente complicado usar uma imagem semelhante à idéia a ser transmitida. Vou falar sobre signos arbitrários em um futuro post.

A placa aí em cima é um exemplo bem legal. Ou alguém pode me dizer o que um triângulo branco com borda vermelha de cabeça pra baixo tem a ver com a idéia de preferência?

Quem já estudou o código de trânsito, ou pelo menos já conhece as placas mais comuns, já deve ter percebido que algumas delas são mais óbvias que as outras.

Mesmo incompleta, você sabe porque já viu outras antes, né?

Mesmo incompleta, você sabe porque já viu outras antes, né?

Não vamos entrar nesse mérito da questão agora, porque o assunto aqui é experiência colateral. Vou me ater às placas cujas imagens remetem diretamente a uma cena ou idéia, de forma intuitiva, ok?

A placa de “Pare” é um bom exemplo. Apesar de não ser uma cena e possibilitar a representação escrita do seu significado, há que se considerar que a leitura ficaria restrita aos falantes do idioma usado na placa. Mas a placa não apresenta apenas a palavra como signo. As cores e formato também são representativos, e isso resolve nosso problema monoglota.

Deu pra sacar mesmo sem ser marroquino, fala a verdade.

Deu pra sacar mesmo sem ser marroquino, fala a verdade.

Estou quase chegando no meu ponto. Alguém aí já viu essa placa:

Oi?

Oi?

Bem, aqui em Belém, e nas viagens que já fiz pelo Brasil, nunca me deparei com uma dessas. A bem da verdade, nem lembro dela nas aulas de legislação de trânsito da auto-escola [há uns sete anos, abafa]. E foi justamente numa aula de semiótica, na universidade, que aprendi seu significado.

Tá, o significado a gente tá vendo na imagem, é pra usar correntes nos pneus. Mas por que cargas d’água você vai precisar colocar correntes nos pneus?!! Aí entrou a experiência colateral. Pra quem mora em lugares com inverno rigoroso, essa placa é comum, e de fácil entendimento.  Segundo este site, o sinal é “Utilizado em vias não pavimentadas onde ocorram dificuldades de
passagem, como atoleiro, terreno encharcado, etc. E em regiões com ocorrência de neve.”

Viu só! Uma imagem pode ser óbvia para umas pessoas e completamente absurda para outras, depende da sua experiência anterior com aquela situação.

O post ficou maior do que eu esperava, mas acho que deu pra entender melhor. Ou não?